Sem Comentarios

UMA JUSTA HOMENAGEM AOS SOLDADOS MORTOS EM ABÓBORA EM 1929


 (Foto: Internet)
A caçada começou em Curaçá, o tenente Odonel, com mais quinze homens, embrenhados pela catinga brava e sol escaldante, como um mateiro, seguia o rastro do bando de Lampião. A volante chegou ao distrito de Juremal... era tarde demais! O bando havia assalto o distrito há poucos minutos, tomando a caatinga por destino. A volante, já reduzida a oito homens – os demais foram retirados de combate pelo ambiente – seguia de forma obstinada em busca do bando. Lampião, contando com ajuda de coiteiros, evitava o combate direto com a volante do tenente Odonel, entretanto, após saírem de Juremal, o bando estacionou no distrito de Abóbora. Ali fez farra e regalou-se. Mas... foram surpreendidos pela volante baiana. E lá, em Abóbora, Lampião sofreu sua primeira baixa em solo baiano. Um dos seus estimados líderes, conhecido por Mergulhão, tombou em combate! Além de Mergulhão cogita-se que mais três cangaceiros foram baleados. Do lado da força policial, morreram dois soldados: José Rodrigues da Silva e Manoel Nascimento Sousa. Este episódio, foi o início de um derramamento de sangue impiedoso nas plagas do norte. Aquele 07 de Janeiro de 1929, foi o preâmbulo de chacinas brutais que o bando executaria em sua trajetória no Estado da Bahia, até serem mortos e decapitados em 28 de julho 1938, na grota de Angicos, Sergipe.

O diretor do CFAP/PMBA, Cel PM Carlos Alberto Neves da Silva, juntamente com o comandante do 3º BEIC, TC PM José Carlos Soares Mariano, tem grata satisfação de convidar a comunidade em geral, sobretudo as autoridades civis, militares e religiosas, além de toda a comunidade acadêmica, da região do Sertão do São Francisco e da Região do Piemonte Norte do Itapicuru, para comparecerem ao distrito de Abóbora, no dia 15/11/19, às 09h00, quando será realizado um Parada Militar, em justa homenagem aos soldados que tombaram no cumprimento do dever, no dia 07 de janeiro de 1929, quando do enfrentamento a Lampião e seu bando.

Naquela ocasião, os soldados: José Rodrigues e Manoel Nascimento, em sacerdócio ao povo baiano, foram gigantes e destemidos, legando suas vidas ao firme propósito da função policial militar


Publicada em 11/11/19 as 12:17h por Ten cordeiro 3º BEIC/Juazeiro - 52 visualizações



Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.