Sem Comentarios

Mais de 200 delegados baianos resolvem entregar os cargos

De acordo com informações do Sindicato dos Delegados de Polícia da Bahia (ADPEB), a decisão dos servidores foi unânime - Foto: Divulgação | ADPEB

Após assembleia extraordinária realizada na manhã desta terça-feira, 11, no hotel Sol Victoria Marina, no centro de Salvador, mais de 200 delegados baianos que ocupam cargos da alta gestão na Polícia Civil resolveram entregar seus postos.
Até a publicação desta reoprtagem, os servidores se encontravamm na Assembleia Legislativa (Alba), localizada no Centro Administrativo (CAB), onde mantinha contato com o presidente da casa e com representantes do governo estadual. O motivo é a reforma administrativa proposta pelo governador Rui Costa, que provocaria perdas na remuneração de até 40%.
Segundo Fábio Lordello, presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia da Bahia (ADPEB), a decisão dos servidores foi unânime e também levou em consideração o congelamento salarial de quadro anos.
"A reforma faz com que grandes conquistas dos delegados não sejam mais cumpridas. Nos últimos quatro anos, os delegados não tiveram aumento salarial ou correção infracionária. Assim que for aprovado, o projeto vai impactar nos vencimentos, inclusive, com efeitos retroativos a novembro", diz.
O presidente do sindicato afirmou que o pedido já foi formalizado ao presidente da Alba, ao governador do estado e ao delegado geral da polícia civil e conta com a assinatura de diretores, coordenadores regionais, titulares e delegados do interior.
Atendimento à população
Fábio também explicou a relação da entrega dos cargos com o atendimento policial e garantiu que a população não será afetada.
"A Polícia Civil não pode fazer greve nem paralisação por força de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e nós vamos acatar. O que estamos fazendo é que os cargos de gestão da Polícia Civil de confiança do governador estão sendo entregues, diante da decisão dele em não contemplar nessa emenda, os delegados do estado da Bahia. Não faremos greve ou paralisação. As ocorrências serão feitas normalmente", declarou.
*Sob supervisão da editora Lhays Feliciano

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.