Sem Comentarios

Família sai de casa por 3 meses e na volta acha desconhecidos

Um casal suspeito de ter invadido uma casa no bairro Cândido Portinari, em Ribeirão Preto (SP), deixou o imóvel no final de janeiro, segundo informações apuradas pelo G1 com uma antiga moradora e com a Polícia Civil.
Fernanda Souza, de 33 anos, que disse ter encontrado estranhos na casa três meses depois de deixar o local para levar a mãe a um tratamento médico em São Paulo, informou que aguarda uma liminar da Justiça autorizando a reintegração de posse para entrar no imóvel.
Ela afirma, entretanto, que não sabe se voltará para a residência, com medo de represálias. Vizinhos disseram a ela que móveis remanescentes foram levados do interior da casa, além dos eletrodomésticos que já haviam sumido. "Estamos com medo de voltar, não sei o que fazer", diz.
O delegado Gino Santanna, do 8º Distrito Policial, informou que foi instaurado um inquérito por violação de domicílio e estelionato. Ele disse ter obtido documentos e evidências sobre o caso, mas afirmou que ainda ouvirá os suspeitos. Se as denúncias forem comprovadas, eles também podem responder por furto.
O homem que foi encontrado vivendo com uma mulher na casa da família garantiu que estava no imóvel há dois anos e que este foi comprado por R$ 160 mil de uma tia de Fernanda -  que, no entanto, estaria o tempo todo em São Paulo. Depois que a história veio a público, um carro da família que havia sumido foi encontrado na zona norte da cidade.
'Minha vida virou um inferno'
O fato de os supostos invasores terem deixado a casa não representa para Fernanda a certeza de que sua família voltará a morar no local. "Minha vida virou um inferno", afirma a antiga moradora.

A família cogita vender ou alugar o imóvel depois que o caso for resolvido. "Não sei como vou fazer. A gente foi ameaçado de morte, tanto pessoalmente quanto pela televisão", diz. Fernanda afirma ter registrado um boletim de ocorrência no final de janeiro contra os supostos invasores por ameaça, mas a Polícia Civil não confirmou a informação à reportagem até a publicação deste texto.
Ela e o marido trabalham em São Paulo e, antes da confusão, iam a cada duas semanas para a casa deles em Ribeirão Preto, onde a mãe e a tia de Fernanda costumavam morar.
No ano passado, ela conta que precisou levar a mãe para um tratamento na capital, o que fez com que o imóvel ficasse sem ninguém por três meses. Desde que a família alegou ter tido a casa invadida, a mãe e a tia da antiga moradora têm vivido improvisadamente com parentes.
Fernanda afirma que soube por vizinhos que a casa foi deixada pelos supostos invasores há cerca de uma semana. Na mudança, segundo ela, foram levados móveis que ainda estavam no local e pertenciam à família, como mesas e um espelho.

Ela afirma que somente voltará a entrar na casa com a presença de um oficial de Justiça, depois que o juiz determinar a reintegração de posse decorrente de uma ação que foi ajuizada por eles. Irmão da antiga moradora, Ronaldo Antonio de Souza, de 40 anos, disse anteriormente ter documentos que comprovam a propriedade, dentre eles carnês de IPTU pagos.
Segundo a família, a liminar deve sair após 15 de março, quando está marcada uma audiência no fórum para tratar do assunto diretamente com o juiz do caso.
G1 tentou falar com o advogado da família nesta quarta-feira (8), mas não obteve mais detalhes do processo. "A gente está esperando o papel, aí sim a gente vai poder entrar na casa", afirma.

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.