Sem Comentarios

Prefeitura é condenada a indenizar em R$ 10 mil funcionário chamado de “negão” por chefe


Um servidor da Prefeitura de Sertãozinho, interior de São Paulo, será indenizado em R$ 10 mil reais após ter sido chamado de “negão” pelo superior. A decisão foi proferida pela 10.ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo.
Segundo o processo, o apelido foi proferido durante uma discussão no trabalho, quando o chefe teria obrigado o funcionário a realizar atividades diferentes da sua função. O chefe, por sua vez, alegou que aquele era um apelido “usado no dia a dia” e não tinha a intenção de ofender o funcionário.
O desembargador Marcelo Semer escreveu na sentença que é inadmissível este tipo de tratamento de um superior com seu funcionário “sendo ainda mais gravosa a hipótese, por se tratar de apelido depreciativo de raça”.
“No mais, ainda que se diga que dirigir-se a uma pessoa negra como ‘nego’ ou ‘negão’ não se dê por ofensa consciente ou que esteja culturalmente assimilado, não há que se falar em proteção jurídica da liberdade de constrangimento das minorias, simplesmente porque a sociedade ainda se encontra assentada em sua herança escravagista”, escreveu o desembargador.
A Prefeitura de Sertãozinho vai recorrer da decisão, mas caso a condenação seja mantida, “promoverá ação de regresso contra o servidor envolvido”.

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.