Sem Comentarios

Brasil tem 28 milhões de subocupados e 13 milhões de desempregados


Especialista destaca que jovens são os mais prejudicados em crises - Foto: Bruno Aziz | Editoria de arte A TARDE
Próxima quarta-feira, 1º de maio, é feriado, data em que o mundo comemora o Dia do Trabalhador, mas por aqui o brasileiro parece não ter muito o que festejar. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), já somos quase 28 milhões de subocupados (24%) – sendo 13 milhões de desempregados (12,4%), dez milhões trabalhando menos horas do que necessitaria, e cinco milhões de desalentados, ou gente que já perdeu a esperança em conseguir uma recolocação.

Pior: segundo especialistas ouvidos por A TARDE, de tão complicada, esta situação não deve se resolver assim tão rapidamente. “Havia uma expectativa de crescimento de 2% acima do PIB (Produto Interno Bruto), mas o mercado, pessimista, já prevê apenas 1%. Os empresários não enxergam melhoria (no ambiente econômico) e fica difícil imaginar que o desemprego vá cair em dois anos”, diz Renan De Pieri, professor de economia do Insper, escola superior especializada em negócios, economia, direito e engenharia.
Ainda segundo De Pieri, “seria um começo” se houvesse avanço na agenda de reformas – incluindo a da Previdência e a tributária –, investimentos em infraestrutura, mais acesso à qualificação, isso tudo sem o aumento de impostos. “Mesmo com o cenário positivo demora um tempo, de seis meses a um ano, para o empresário voltar a investir”.
O professor destaca que em momento de crise todo mundo é atingido, mas que, historicamente, o grupo formado por jovens é o mais prejudicado quando o assunto é demissão ou a não contratação. E diz que o empreendedorismo “por necessidade” tem sido a saída para uma grande parcela.
“É preciso (por parte do governo) investir em educação para melhorar a produtividade e criar políticas para formalizar essas pessoas (que estão empreendendo”, conta De Pieri.
Sócia da Talento RH, a recrutadora e especialista em recolocação Agda Lima destaca que o cenário atual está “fortemente influenciado pelas transformações tecnológicas” e que, com “a indústria 4.0 e todos os seus desdobramentos, profissionais, líderes e empresários devem estar conectados com as mudanças reais, atualizando-se de forma continua para conseguir protagonizar todas as fases que esta transição requer”, diz ela.
“Mudança de mentalidade”
“Os impactos serão constantes, e se não houver mudança de mentalidade, muitas empresas e profissionais terão perdas significativas. Hoje, com o desemprego, o empreendedorismo ganha mais espaço, mas ainda o que se observa é que há deficiência nas habilidades dos profissionais que fazem essa escolha, sem se preocupar com um planejamento adequado”, diz.
Ainda segundo Agda, uma mudança significativa e “que pode ser muito bem-vinda do ponto de vista de mercado” é a tendência à “pejotização” na hora da contratação. “Isso implica redução de custo para quem contrata e aumento das oportunidades para quem está em busca de uma proposta. Em paralelo, existe hoje uma exigência maior quanto às competências comportamentais dos candidatos, entre elas destaco a habilidade para resolução de problemas complexos, pensamento crítico, coordenação de time e inteligência emocional”, fala.
Para a psicóloga do trabalho, consultora em desenvolvimento pessoal (coach) e professora do curso de gestão de recursos humanos da Universidade Salvador (Unifacs) Sandra Rêgo, mais do que nunca é preciso quebrar um paradigma e falar mais em trabalho do que em emprego. Segundo ela, emprego é apenas uma das possibilidades existentes no mercado e que “muita gente já se refez e não espera mais voltar”, afirma.
“Não estou dizendo que empreender é fácil, assim como empreender não significa empresariar. Existem várias formas e tem gente se encontrando, que passou a fazer o que gosta, talvez em um outro ritmo, com mais qualidade. Em especial os mais jovens, gente na área de marketing, design, moda, comunicação, trabalhando em casa”, diz Sandra.
Sine Aberto
A professora também bate na tecla da capacitação e do “preparo emocional”. “É preciso maturidade e saber esperar”.
De acordo com a assessoria de comunicação do Ministério da Economia, desde o último dia 29 a Secretaria de Políticas Públicas para o Emprego, estrutura da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, disponibilizou na internet o Sine Aberto. Na plataforma estão disponíveis os dados dos trabalhadores cadastrados no Sistema Nacional de Emprego (Sine).
Segundo a instituição, antes as empresas cadastravam as vagas no Sine, o governo localizava trabalhadores com o perfil desejado e compartilhava a informação com as empresas. Agora, as próprias empresas acessam os dados em busca de trabalhadores aptos para as vagas, por edital de chamamento público“.

Fábio Bittencourt

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.