Sem Comentarios

Pastor que 'incorporava anjo' para abusar de menores pega 44 anos de prisão

O pastor dizia que incorporava um anjo que livraria os jovens de pecados - Foto: Reprodução | Redes Sociais

A Justiça de São Paulo condenou um pastor por abuso sexual de pelo menos três fiéis de sua igreja, entre eles dois menores de idade, entre 2015 e 2018. A juíza Tatiane Moreira Lima, do Setor de Atendimento de Crimes da Violência contra o Infante, Idoso, Pessoa com Deficiência e Vítima de Tráfico Interno de Pessoa (SANCTVS), determinou que o homem cumpra pena de 44 anos de prisão em regime inicial fechado.
Cabe recurso da decisão, mas o pastor não poderá apelar em liberdade. O processo corre em segredo de justiça.
Segundo os autos do processo, o pastor dizia que incorporava um anjo que livraria os jovens de pecados, indicam as informações divulgadas pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça.
As vítimas acabaram se encontrando, conversaram e decidiram denunciar o caso à polícia. O líder da igreja evangélica chegou a ameaçar os jovens para que os abusos não chegassem às autoridades.
Na avaliação de Tatiane, a prática de atos libidinosos mediante fraude é "indubitável".
Para a juíza, a palavra das vítimas foi suficiente para a tomada de decisão, embora não haja testemunhas presenciais.
Tatiane observou ainda que os depoimentos das vítimas tem "peculiaridades que somente quem foi submetido a situações dessa natureza seria capaz de relatar".
"É inconteste que os fatos aqui relatados não poderiam ser fruto de mera imaginação infantil", indicou.

Estadão

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.