Sem Comentarios

Prefeito de Alagoinhas, médico do Atlético-BA xinga arbitragem: 'Cambada de filhos da p*'

Prefeito de Alagoinhas, médico do Atlético-BA xinga arbitragem: 'Cambada de filhos da p*'
Foto: Reprodução / TV Bahia

por Leandro Aragão

O árbitro Bruno Pereira Vasconcelos relatou a súmula ter sido xingado pelo prefeito de Alagoinhas e médico do Atlético-BA, Joaquim Neto (DEM), após o final do primeiro tempo do jogo de volta da semifinal do Campeonato Baiano entre o time do interior e o Bahia. O político já havia sido expulso aos 25 minutos do primeiro tempo, quando entrou em campo para atender um jogador. Ele aproveitou o momento para fazer acusações ao juiz, que tinha expulsado o zagueiro Bremer, logo com três minutos de bola rolando. A equipe de Alagoinhas perdeu para o Tricolor por 2 a 0, no Carneirão.

"Após o término do primeiro tempo, este mesmo, invadiu o campo de jogo e partiu em nossa direção, falando: "Você é ladrão e por isso não vai a lugar nenhum, por isso que essas m* não saem da Bahia". Por isso precisamos da ajuda do policiamento para irmos ao vestiário. Na saída, o médico ainda falou: "vocês são uma cambada de filhos da p*, ladrões, safados". vale salientar ainda que mesmo tendo sido expulso aos 25 minutos, ele permaneceu no banco de reservas, pois sua equipe não possuía um substituto, desta maneira a regra do jogo permite a sua permanência", afirmou o árbitro.

O presidente do Atlético de Alagoinhas, Raimundo Queiroz, colocou panos quentes no ocorrido. Apesar de reprovar a atitude de Joaquim Neto, ele disse compreender o nervosismo por se tratar de um torcedor do Carcará que não concordou com a expulsão de Bremer. O time de Alagoinhas jogou com um menos praticamente toda a partida dificultando a ainda mais a missão de vencer o Bahia por 3 a 0 para levar a decisão para os pênaltis, ou por 4 a 0 para ficar diretamente com a vaga na decisão do Baianão.

"Entendo que a gente não deve seguir esse exemplos, mas o médico, como é um torcedor ferrenho, que apoia o time, acompanha todos os jogos, então aquela expulsão na visão dele e de muitos foi injusta. Ele agiu daquela forma, mas ele não é assim como apareceu ali. Ele é um cara muito calmo, simples demais. O que aconteceu ali era um caso que não deveria acontecer, lógico que não vou concordar com aquilo ali, mas foi um momento de nervosismo, de querer vencer, de achar que o juiz errou. Na realidade, nós do interior somos vítimas de as vezes os árbitros decidirem sempre em prejuízo ao time do interior. Não estou dizendo que isso sempre acontece, porque também ainda não vi o lance pela televisão. Não cabe a mim, julgar o árbitro, porque não acredito que o árbitro venha premeditado a prejudica esse ou aquele clube. Mas mesmo assim vou tirar as minhas dúvidas hoje e se tiver de passar para a Federação a nossa opinião referente à arbitragem, vamos passar sem dúvidas. Eu sei que o houve ali não pode acontecer", disse em entrevista ao Bahia Notícias.

Com o resultado, o Atlético de Alagoinhas acabou eliminado do Baianão pelo Bahia com o placar agregado de 5 a 0. O Carcará segue na briga por vagas na Copa do Brasil e na Série D do Brasileiro do ano que vem e aguarda a definição do outro confronto da semifinal entre Bahia de Feira e Vitória da Conquista, marcado para o próximo domingo (31), na Arena Cajueiro.va

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.