Sem Comentarios

Bahia tem quatro cidades entre as 10 mais violentas do Brasil, diz pesquisa

Lauro de Freitas está em 2º lugar em lista de cidades mais violentas - Foto: Carlos Casaes | Ag. A TARDE | 06/07/2011
Lauro de Freitas está em 2º lugar em lista de cidades mais violentas
Carlos Casaes | Ag. A TARDE | 06/07/2011
A Bahia tem quatro cidades entre as 10 mais violentas do Brasil com população superior a 100 mil habitantes, segundo o Atlas da Violência 2017. Entre as cidades baianas no ranking nacional, estão Lauro de Freitas, (2º), Simões Filho (5º), Teixeira de Freitas (7°) e Porto Seguro (9º), contabilizando as taxas de homicídio e mortes violentas com causa indeterminada.
Os dados, que foram divulgados nesta segunda-feira, 5, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), consideram o período entre 2005 a 2015. Neste último ano da pesquisa, a média foi de 92,5 homicídios a cada grupo de 100 mil habitantes, conforme o estudo.
Lauro de Freitas, município da Região Metropolitana de Salvador (RMS), tinha em 2015 uma população de 191.426 habitantes e ficou atrás somente da cidade de Altamira (PA). O município da RMS computou, no ano referente, 177 homicídios e 10 Mortes Violentas com Causa Indeterminada (MCVI).
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-BA) diz não concordar com a metodologia utilizada pelo o Ipea para a contagem das mortes nos estados brasileiros e que os dados divulgados nesta segunda podem ser incoerentes. 
O órgão de segurança afirma que é necessário haver uma padronização na coleta destas informações com os estados brasileiros. "Pesquisas como a publicada, em nada vão colaborar para entender a real situação dos municípios e a dinâmica da violência no país', diz o comunicado.
A SSP embasou a crítica ao Atlas de segurança do instituto, com um exemplo: "Em uma cena de crime com cinco mortos por arma de fogo, na Bahia, e demais estados nordestinos, são contabilizados cinco homicídios. Em outros estados, com essa mesma situação, é contabilizado apenas 1 homicídio. Outro ponto diferente é a utilização da classificação 'mortes a esclarecer'. Tem estado que no final do ano computa 4 mil homicídios e outras 3 mil mortes a esclarecer. Nestes casos as pesquisas utilizam apenas o dado 'oficial' de 4 mil". 
De acordo com a SSP, o Ministério da Justiça reconheceu a falta de metodologia única para contagem dos casos e considerara a criação de rankings de cidades "equivocadas".
A secretaria apontou ainda a necessidade de o Governo Federal implantar um plano de segurança com investimentos na área para, de fato, as informações sobre a violência sirvam para estabelecer estratégias para diminuí-la. 
Os 30 municípios mais violentos
No geral, a Bahia tem oito cidades entre os 30 municípios mais violentos do país. Além das quatro primeiras já citadas, as cidades baianas de Barreiras (14º), Camaçari (15º), Alagoinhas (18º), Eunápolis (19º) e Feira de Santana (30º) completam lista.

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada foram divulgados nesta segunda (Foto: Divulgação | Ipea)
Com 133.202 habitantes, Simões Filho (RMS), que em pesquisas anteriores chegou a ser considerada a cidade mais violenta do país, teve 112 homicídios registrados e 11 MCVI. Já em Teixeira de Freitas, no extremo sul da Bahia, com 157.804 habitantes, foram registrados 114 homicídios e 25 MCVI.
Porto Seguro, no sul baiano, tem população de 145.431 pessoas. Lá, o número de homicídios chegou a 123 e o de MCVI 2. Na região oeste do estado, em Barreiras, com 153.918 habitantes, foi computado 1 homicídio e 119 Mortes Violentas com Causa Indeterminada.
Em Camaçari, na RMS, com 286.919 habitantes, foram 207 homicídios e 16 MCVI. Com população de 154.495 pessoas, o Atlas registrou 103 homicídios e 14 Mortes Violentas com Causa Indeterminada em Alagoinhas.
Novamente no extremo sul da Bahia, Eunápolis, cidade com população de 113.191 pessoas, teve 66 homicídios e 19 MCVI. A 109 km de Salvador, Feira de Santana, município com 617.528 habitantes, teve 218 homicídios e 205 Mortes Violentas com Causa Indeterminada.
Foi divulgada também uma lista dos 30 municípios mais pacíficos, também com população superior a 100 mil habitantes, mas não há nenhum município baiano.
Cidades mais Pacíficas 
Dos 30 municípios mais pacíficos, não há nenhum da Bahia e 24 são da região Sudeste. Os dois primeiros da lista ficam em Santa Catarina: Jaraguá do Sul (3,7) e Brusque (4,1). Depois, aparecem Americana (4,8) e Jaú (6,3), ambos em São Paulo, Araxá, em Minas Gerais (6,8), e Botucatu (7,2), também em São Paulo. 
Com taxa de homicídio de 0,65%, Barreiras, no Oeste da Bahia, poderia ser considerada a cidade mais pacífica do país em 2015, de acordo com o Atlas, porque apenas um homicídio foi registrado lá no ano. 
No entanto, também em 2015, foram registrados 119 MVCI, que resulta em uma taxa de 77,3 por 100 mil habitantes, o que desloca o município para a relação dos mais violentos. 
Perfil das vítimas 
Entre 2005 e 2015 mais de 318 mil jovens foram assassinados no Brasil, segundo o Atlas da violência. Apenas em 2015, foram 31.264 homicídios de pessoas com idade entre 15 e 29 anos, uma redução de 3,3% na taxa em relação a 2014. Uma informação da pesquisa que chama a atenção, é que de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras.
Conforme os dados, os negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças, sem considerar idade, escolaridade, sexo, estado civil e bairro de residência.
A pesquisa identifica também que 92% das vítimas dos homicídios no Brasil são homens jovens. Em Alagoas e Sergipe, a taxa de homicídios de homens jovens atingiu, respectivamente, 233 e 230,4 mortes de homens jovens em 2015. 
Em análise das unidades da federação, nota-se uma grande nota-se uma grande disparidade. Em São Paulo, houve uma redução de 49,4%, nesses onze anos, mas no Rio Grande do Norte o aumento da taxa de homicídios de jovens foi de 292,3%.

Jefferson Domingos*

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.