Sem Comentarios

Pessoas com enxaqueca têm maior propensão a desenvolver perda de audição

A
 OMS aponta que 15% da população brasileira sofre com enxaquecas. Estudo realizado pela Unifesp, em São Paulo, aponta que estas pessoas são mais propensas a ter problemas de audição. A enxaqueca afeta o cérebro causando déficit cognitivo, o que afeta a memória, a forma como as informações são processadas e a atenção auditiva.
Com os estudos, foi comprovado que a pessoa que sofre de enxaqueca ouve normalmente, mas está menos atenta às informações recebidas, uma vez que o processamento do cérebro fica mais lento. A fonoaudióloga Andréa Varalta Abrahão, diretora técnica da Direito de Ouvir, explica que as pessoas com enxaqueca são mais propensas a ter as emissões otoaústicas e a audiometria de tronco encefálico alteradas, que são indicações de problemas que podem levar a perda de audição.
Outros sintomas de disfunções auditivas também têm sido comuns em pessoas com enxaqueca, como a fonofobia, que é o medo de barulho ou de sons altos e zumbidos, que é a presença de um barulho similar a um apito nos ouvidos.
Em alguns casos a enxaqueca não é percebida pelas dores de cabeça, mas através de alguns sintomas auditivos, como audição abafada, sensação de ouvido cheio e zumbido no ouvido. Esses sintomas estão ligados à enxaqueca devido à disfunção do sistema vestibular. O sistema vestibular é o conjunto de órgãos localizados no ouvido interno que são responsáveis pelo equilíbrio do indivíduo, que é comumente conhecido como labirinto. Quando ocorre à disfunção deste sistema, pode ocasionar desequilíbrio, tontura e instabilidade.
Ao perceber alguns desses sintomas, é importante procurar um especialista e realizar o tratamento correto, evitando assim uma perda de audição precoce ou, até mesmo, o desdobramento de outros problemas.
Sobre a Direito de Ouvir
No mercado desde 2007, a missão da Direito de Ouvir é possibilitar às pessoas com perda auditiva uma melhor qualidade de vida através de uma ampla variedade de aparelhos com preços acessíveis e alta tecnologia. A empresa adotou formato de franquia em 2013 para possibilitar que empreendedores de diferentes segmentos - e não apenas fonoaudiólogos – pudessem ter a chance de trabalhar com a marca, considerada uma das mais importantes no segmento de aparelhos auditivos no Brasil. O sucesso fez com que em 2014, a rede se juntasse à multinacional Amplifon, líder mundial em soluções auditivas, presente em 22 países. A Direito de Ouvir possui cerca de 400 fonoaudiólogas credenciadas, uma loja própria e quatro franquias em diferentes regiões do país. Site: http://www.direitodeouvir.com.br/

Qualquer comentário com xingamentos palavras racistas será automaticamente excluído por nossa equipe. Agradecemos a Compreensão e o Respeito.